Untitled Document
css3menu.com Facebook

html menu generator by Css3Menu.com

   
 
   

 

 

Amor é fundamental para superar momentos de crise

Fonte da Notícia: Site A12
Data: 10/08/2016
Postada às: 10:09:56 horas.

A vida de casado é um desafio constante. São muitas as questões que envolvem a relação homem e mulher: ciúmes, brigas, crises, sexo, perdão, diferenças e gênios, compromissos matrimoniais. E, lidar com essas situações requer do casal um amadurecimento para superar os desafios e crises.

Educador há mais de vinte anos e há mais de trinta anos trabalhando na evangelização como missionário leigo, Dimas Novais apresenta o livro Amar em tempos de crise, uma publicação em parceria com a Editora Santuário. Nas muitas experiências que vivenciou com os casais, ele traz, de forma didática e dinâmica, um pouco do dia a dia do matrimônio, apresentando caminhos para uma convivência sadia.

O autor explica ao JS o valor da família: 

 

O lar tem de ser um lugar seguro onde as pessoas se amam, respeitam-se e sabem que ali podem ser
elas mesmas”, afirma Dimas Novais

 

O senhor acredita que as famílias, de modo geral, precisam passar por uma reestruturação, tendo um embasamento maior no amor? O que precisa ser mudado? 

Dimas Novais – Não tenho dúvidas de que a família está sofrendo um forte ataque por todos os lados. Há inimigos da família e dos valores que se cultivam num lar cristão no mundo todo. O amor é a base, porém “não basta o amor”. É necessário assentar nessa construção o tijolo da compreensão, da paciência, do silêncio, da humildade e principalmente do perdão. Se temos algo urgente a mudar nas famílias é a forma como as pessoas se relacionam. O lar tem de ser um lugar seguro onde as pessoas se amam, respeitam-se e sabem que ali podem ser elas mesmas, sem máscaras ou hipocrisias. Não há família perfeita, casal perfeito, o que há é esforço diário para as coisas darem certas. Investimos na família porque sabemos que os frutos serão necessários e úteis na construção de um novo mundo. Queremos viver juntos na terra e chegar juntos ao céu. Mas a cruz existe e não há como ignorá-la. Ela deve ser abraçada. 

O livro traz de maneira bem didática vivências reais do cotidiano dos casais. Como o senhor captou essas histórias?

Dimas – Sim, quando estou produzindo uma obra penso em quem vai ler e procuro ser o mais simples e didático possível. Desejo me aproximar do leitor de tal forma que ele se encontre nas páginas do livro. O que digo no livro tem de fazer sentido para quem está lendo, pois não é ficção, é a realidade. Não escrevo romance, por enquanto. Todos os meus livros partem de situações concretas que as pessoas, em algum momento da vida, viveram ou estão vivendo. Como sou professor a pedagogia e a didática já fazem parte da minha rotina, no ato de ensinar.

Captei dentro do meu lar, ouvindo casais amigos, nas orientações e no ato de receber o que o outro me transmite. Penso que o segredo foi esse: ver e ouvir o outro, partindo da minha própria casa. Por isso o livro é real. Pessoas se encontram numa ou outra história e dizem: “parece que ele tá falando pra mim”, pois na verdade todos vivem praticamente as mesmas coisas, com uma ou outra diferença. Somos todos humanos e gente é gente em qualquer lugar do mundo. Só muda o endereço. Não há super-heróis, vamos vivendo e aprendendo.

Qual o peso da espiritualidade no convívio do casal?

Dimas – A espiritualidade é fundamental. Não apenas o ritual, o dogma, o preceito, mas a consciência de que Deus faz parte da família. Dou um exemplo: na minha cidade às seis horas da tarde tocam os sinos da matriz. Em casa, ao ouvir os sinos, paramos e rezamos o Santo Anjo e a Ave-Maria. Isso é viver a espiritualidade. Como também rezamos na hora de dormir, ao levantar, antes das refeições, quando saímos na estrada e pedimos proteção a Deus. Tudo isso são formas simples de cultivar uma espiritualidade cristã, uma comunhão com Deus. Deus tem de ter um lugar de destaque no lar. Ele é sempre bem-vindo. Uma simples oração que todo casal poderia fazer, todos os dias é essa: “Vem Senhor e fica entre nós”.

Como o livro aborda a educação dos filhos?

Dimas – Tenho um filho de seis anos e já tive a dolorosa experiência de enterrar uma filhinha. Filho é uma bênção. Muitos casais estão trocando filhos por cachorrinhos. Não dá. O pior é que daí começam a chamar o cachorrinho de “filhinho”. Absurdo. O Casamento só tem sentido pleno com a presença dos filhos. Ninguém nasce tendo no coração o amor paterno ou materno. Esse nobre sentimento só passa a existir em nós quando nasce o filho. É um tipo de amor único e especial. Quando nos tornamos pais, tudo muda. E a educação dos filhos passa por dois pilares: amor e limite. O filho tem de se sentir amado e seguro nos braços dos pais, mas também deve entender desde cedo que a liberdade tem limite. Antes de ser amigo, o pai deve ser Pai; antes de ser companheira, a mãe dever ser Mãe. E o filho tem de compreender qual é seu lugar. Todos se amam, respeitam-se, porém, estabelecem limites. A frase é bastante conhecida: “quem ama, educa”.


 


Mais Artigos

   
 

 

 

 
Santuário Nossa Senhora Aparecida - Arapongas
     
 
 
     
 
Santuário Nossa Senhora Aparecida
2014 - Todos os direitos reservados
(43) 3252-0324
 
 
 
 
Facebook Santuário